Um novo desafio na carreira sempre nos oferece uma oportunidade de mudar/agregar o ponto de vista com que analisamos o ambiente em que estamos inseridos. Afinal, quanto mais conhecermos o que está a nossa volta e compreendermos o que temos à disposição, melhor.

Portanto, se você acaba de chegar em uma organização diferente ou teve suas responsabilidades alteradas onde já atuava, este texto tem o propósito de contribuir com essa fase.

Vamos lá?

A visão que trago aqui é baseada em um arquétipo – imagem/modelo passível de reprodução em diferentes contextos – que engloba todos os níveis que devemos ter consciência sobre uma organização, independente de sua natureza.

Imagem inspirada em material da ADIGO Consultores e Programa Germinar

 

Na figura acima, fica perceptível como um mesmo padrão é facilmente encontrado em universos distintos. No caso: a natureza, o ser humano e a organização. Esta última, objeto de nossa reflexão.

Percebendo essa totalidade e dinamismo em uma organização, deixo o convite para que você analise cada um dos níveis presentes em sua atuação.

RECURSOS: tudo o que é físico, mensurável no espaço – assim como o corpo físico e o reino mineral. 

Exemplos: máquinas, equipamento, salas, prédios, materiais de escritório, pessoas (quantidade), etc.

  • Quais são todos os recursos que tenho a minha disposição?
  • O que está bom? O que poderia ser melhor?
  • Como estes recursos contribuem com as minhas responsabilidades?
  • Qual o meu nível de segurança neste novo contexto? Por quê?

PROCESSOS: tudo o que mensurável no tempo – assim como as forças vitais presentes em nosso corpo biológico e no reino vegetal. 

Exemplos: Fluxo de trabalho, Fluxo de informações, Otimização dos recursos.

  • Quais são os processos inerentes a minha função?
  • O que é mais desafiador? O que é menos desafiador?
  • Quais habilidades preciso ter para entregar tais processos?
  • Quais são os principais pontos de melhoria que as pessoas ao meu redor apontam? O que dá certo?

RELAÇÕES: envolve aspectos abstratos, sutis, de difícil mensuração – assim como sentimentos, emoções, instinto presentes em nosso corpo astral (ou anímico) e no reino animal. 

Exemplos: Relações Interpessoais, Liderança, Relações Externas, “Rádio Pião”, etc.

  • Como percebo o ambiente de trabalho?
  • Como avalio a motivação das pessoas? E a minha?
  • O que contribui para a motivação de cada integrante da equipe?

IDENTIDADE: engloba definições de propósito, estratégia e cultura organizacional – assim como cada Indivíduo é único e tem o seu EU, o Homem na natureza também se diferencia por qualidade exclusivas a sua espécie. 

Exemplos: missão, visão, valores, história da organização, etc.

  • Qual é a Missão da organização?
  • Qual a Visão de Longo Prazo?
  • Quais os valores que guiam o comportamento da equipe?
  • Se a organização não existisse, o que o mundo perderia?
  • Qual meu nível de identificação com a organização? Por quê?

Com base nessas respostas – peça ajuda de quem está ao seu lado se sentir necessidade – tenho certeza que estará mais preparado(a) para assumir este novo desafio.

Sucesso e boa sorte em sua carreira!

Lembrando que sorte é o “casamento perfeito entre a oportunidade e a preparação”.

Clique aqui e acesse outros conteúdos em nosso blog! 🙂

— —

Gustavo Bonafé.

Deixe uma resposta

Fechar Menu